Dia de Combate ao Alcoolismo

A diferença entre o remédio e o veneno está na dose

 

Dia 18/02 é lembrado como o Dia Nacional de Combate ao Alcoolismo, data instituída para conscientizar a população sobre a doença e os prejuízos causados pelo consumo excessivo de bebidas alcoólicas.

 

Alcoolismo é a dependência do indivíduo ao álcool, considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O uso constante, descontrolado e progressivo de bebidas alcoólicas pode comprometer seriamente o bom funcionamento do organismo, levando a consequências irreversíveis.

Alcoolistas em tratamento, afirmam que é comum viver negando tal situação por muito tempo. Uma pessoa que é alcoólatra tem uma grande dificuldade de reconhecer que é doente e de compreender todos os malefícios envolvidos.

 

Quem adoece?

O tempo passa, a dificuldade de aceitação permanece e, além de prejudicar sua própria vida, a doença interfere na família, nos amigos e nos colegas de trabalho.

Fisicamente, o álcool prejudica o cérebro, o fígado, o estômago, o intestino, os músculos e o coração. Gera desidratação e desnutrição, afetando todas as células do corpo. Psicologicamente, a pessoa adoece também, e esse é o tratamento mais difícil, já que o organismo tem mais capacidade de se regenerar do que o cérebro.

 

Tratamento possível  

Cada pessoa reage melhor a um tipo de tratamento, mas sempre há necessidade da desintoxicação e de tratamento psicológico, para que os problemas que o fizeram beber não se repitam.

 

Preste atenção nos seus pais, colegas, amigos, vizinhos, e em seus filhos. As pessoas precisam de orientação, conversa e apoio, pois essa é uma doença crônica que exige atenção para o resto da vida!

 

O tratamento do alcoolismo pelo SUS pode ser feito pelo:

  • CAPS - Centro de Atenção Psicossocial: instituições governamentais, espalhadas por várias cidades do país;
  • NASF - Núcleos de Apoio à Saúde da Família: formados por grupo de profissionais de saúde que auxiliam as equipes de Saúde da Família no atendimento aos dependentes químicos;
  • Consultórios de Rua: equipes móveis formadas por assistente social, auxiliar de enfermagem e médicos que atuam onde usuários de drogas se reúnem;
  • CAT - Casas de Acolhimento Transitório: acolhem o dependente durante o processo de estabilização clínica, com atividades pedagógicas.

 

Também existe o A.A. (Alcoólicos Anônimos), que, apesar de não estar ligado ao SUS, oferece tratamento gratuito para os dependentes.

 

Existem também outras entidades sem fins lucrativos em sua cidade! Informe-se e cuide de quem é importante para você!

 

 

Texto desenvolvido por: Maura Dorigatti

Fontes: http://agenciabrasil.ebc.com.br; https://www.greenme.com.br; https://www.minhavida.com.br